sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Tia nota 10

Peça teatral: TIA NOTA 10

Baseada no livro de Ziraldo “Tia Nota 10”

Cenário: sala de aula
Atores: Professora, Tia, Maluquinho, criança 1, criança 2, criança 3, criança 4, criança 5, criança 6.

PROFESSORA: Bom dia, crianças! Sejam bem-vindas.

CRIANÇA 1: Bom dia, Tia.

CRIANÇA 2: Não chama ela de tia. Lembra do ano passado o que aconteceu com o Maluquinho?

PROFESSORA: Mas eu gosto que me chamem de tia, acho tão carinhoso... Eu não gosto mesmo é de desobediência, bagunça fora de hora e que falem junto comigo. Tenho muita coisa legal para ensinar para vocês.

(A professora do ano passado bate à porta.)

TIA: Bom dia, professora. Esta turma foi minha o ano passado. São crianças lindas e educadas.

MALUQUINHO: Bom dia, Tia.

TIA: Oi, meu amor. Tudo bem?

CRIANÇA 2: Tia, já ia começar a contar o que aconteceu com Maluquinho ano passado por ter te chamado de “tia”.

TIA: É, mas aprendi muito com ele. Mas vamos contar esta história juntos?

TODOS: Vamos.

MALUQUINHO: Primeiro dia chamei a tia de tia e a tia desatinou:

TIA: Sou professora e não gosto que me chamem de tia.

CRIANÇA 3: Maluquinho foi logo se desculpando, mas queria saber porque não podia chamar a tia de tia.

TIA: Não pode porque eu não quero

MALUQUINHO: Ta, tia. E a tia me deu zero.

CRIANÇA 4: Maluquinho decidiu andar direitinho, lá no fundo, não falava nem alô. Mas pediu para ir lá fora.

TIA: Eu logo deixei. Vai que o menino faz xixi ou coco na calça.

CRIANÇA 5: E quando eu tava saindo para o banheiro, não agüentou.

MALUQUINHO: Dei um pum. Tia ia me dar zero.

TIA: Fiquei com pena, dei um.

CRIANÇA 6: Maluquinho continuou na escola chamando a tia de tia e certo, continuaria. Se a tia não desse tantos deveres de casa “para, um dia ser alguém”.

CRIANÇA 1: Olha, eu contei mais de cem.

MALUQUINHO: Como dez é nota máxima e eu só fiz 20%. Aprendi isto depois, a tia me deu dois.

TIA: Quando foi o mês seguinte eu achei que ele tava com a mente sã, pois me dizia “Bom dia!” sorrindo toda manhã.

CRIANÇA 2: Mas Maluquinho não resistiu a rima que tem o dia. Ele falu sete vezes. Sete vezes em um mês.

MALUQUINHO: De dez se tirando sete... a minha nota foi três.

CRIANÇA 3: Aí. Ele foi calado, pro teatrinho da escola, pra fazer o Dom Ratão no dia do casório. Mas acho que agradou só metade do auditório.

MALUQUINHO: Se agradei à metade do teatro merecia nota 5, mas me distraí com a tia na entrada do teatro. E ela me deu um quatro.

CRIANÇA 4: Maluquinho se decidi fazer direitinho tudo que a professora mandava. Caprichou tanto na relação com ela que se esqueceu de estudar.

MALUQUINHO: Mas minha linda professora não entendeu meu afinco: cortou minha vota no meio. E aí, me deu um cinco.

TIA: Maluquinho resolveu ser caprichoso para ver se eu me comovia.

MALUQUINHO: E aí, tirei um nove. Tia, obrigado!

TIA: Olhe tudo com cuidado: está de cabeça para baixo a sua prova do mês.

MALUQUINHO: Foi então que descobri que eu tinha tirado um seis.

CRIANÇA 5: Desta vez, aconteceu exatamente o contrário de quando ele tirou três. Daquela vez, em um mês, ele chamou  sete vezes a professora de tia. Desta vez, chamou três.

CRIANÇA 6: Mas é até pra melhor que a história se repetiu.

MALUQUINHO: Da outra vez ganhei três, desta vez ganhei um sete.

CRIANÇA 1: Oito é o infinito, tem tudo a ver com a noite e com o infinito.

CRIANÇA 2: Mas vá ser misterioso assim lá na Conchinchina, pois, agora imagina que neste mês que passou fez tudo para tirar dez.

MALUQUINHO: Mas, não sei... por um mistério que por certo não me foi todo explicado, eu tirei um oito.

CRIANÇA 3: O ano estava terminando,  eu vi o seu  esforço que o Maluquinho teve para seguir os meus passos.

MALUQUINHO: Para garantir o que eu queria, cheguei a chamar a tia de “mon amour” e “my love”. Me garanti: Vai ser dez! Mas ela só me deu um nove.

CRIANÇA 4: Ao chegar o fim do ano, aí é que ele brilhou. Fez pesquisas magníficas, nenhum problema ele errou.

CRIANÇA 5: Leu três livros de uma só vez e tirou nota máxima em Ciência e Português.

MALUQUINHO: Acho até que fui perfeito da cabeça aos pés. Fiz tudo direitinho que a tia me deu um dez.

TIA: Isto aconteceu porque você se esforçou e deu o melhor de si.

CRIANÇA 6: Foi aí que entendemos que o carinho e o esforço é o melhor caminho.

CRIANÇA 3: Se a tia não tivesse agido assim, o Maluquinho teria lhe enlouquecido e lhe dado um fim.

CRIANÇA 4: Lembra da piada que ele contou antes de chamar a tia de tia? Fala aí Maluquinho.

MALUQUINHO: Não me mete em encrenca. Quero começar este ano direitinho e mostrar que pela tia tenho imenso carinho. Da licença, tia. Tem um coco na sua cadeira.


PROFESSORA: Já fez sua primeira gracinha, né? Ta perdoado, mas que isto não se repita.

TIA: Quero dizer a você, professora, que estas crianças me fizeram muito feliz ano passado e vão te deixar sempre alerta este ano. Cuide bem deles. Beijo, meus amores.

CRIANÇA 7: Agora que a Tia foi embora, também quero contar uma passagem do Maluquinho.
Maluquinho chegou atrasado mais uma vez para a aula. A professora reclamou:
Maluquinho, você chegou tarde de novo!
Mas a senhora mesma diz que não tem problema, professora.
Como? Eu nunca disse isso.
Disse, sim senhora. A senhora diz sempre que nunca é tarde para aprender.
CRIANÇA 8: Eu também quero falar. Sabe que um dia o Maluquinho foi almoçar no restaurante com seus pais e de repente soltou uma das suas: Garçom, tem uma mosca na minha sopa!
Ele foi logo respondendo.
 Não tem problema. Pode secar a coitadinha no pão.
PROFESSORA: Crianças, vamos começar o ano com o pé direito para todos passarem de ano.

MALUQUINHO: Tia, pode te chamar de tia?

PROFESSORA: Claro, Maluquinho. Meu nome é Luciana, mas você pode me chamar de tia, tia Luciana, tia Lu...




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário